LOUVADO SEJA DEUS






CÂNTICO DE LOUVOR

Quando a vida começava no mundo, os pássaros sofriam bastante. Pousavam nas árvores e sabiam voar mas como haviam de criar os filhotinhos? Isso era muito difícil. Obrigados a deixar os ovos no chão, viam-se quase sempre, perseguidos e humilhados. A chuva resfriava-os e os grandes animais, pisando neles, quebrava-os sem compaixão. E as cobras? Essas rastejavam no solo, procurando-os para devora-los. Conta-se que, por isso, as aves se reuniram e rogaram ao Pai Celestial que lhes desse o socorro necessário.

Deus ouviu-as e mandou um anjo que passou a instrui-las na construção dos ninhos. os filhotes começaram a nascer sem aborrecimentos.

Reconhecendo que o Pai Celestial havia respondido às suas orações, as aves combinaram entre si cantar todos os dias. Quando ouvirmos uma ave cantando, lembremo-nos, pois, de que do seu coraçãozinho, coberto de penas, esta saindo o eterno agradecimento que Deus esta ouvindo no Céu.

LOUVADO SEJA DEUS

O velho André era um escravo resignado e sofredor. Certo dia, ele soube que Jesus nos ensinara a santificar o nome de Deus, e prometeu a si mesmo jamais praticar o mal.

Se o feitor da fazenda o perseguia, André perdoava e dizia de todo o coração - Louvado seja Deus. Se algum companheiro tentava-o a fugir das obrigações de cada dia, considerando as injustiças que o cercavam, ele dizia:- Louvado seja Deus. Quando veio a libertação dos cativos, o dono da fazenda chamou-o e disse-lhe que a pobreza e a doença lhe batiam a porta e pediu-lhe que não o abandonasse. Todos os companheiros se ausentaram, embriagados de alegria, mas André teve compaixão de seu Senho, agora humilhado e permaneceu no serviço. O proprietário da terra, pouco a pouco perdeu tudo o que tinha, vitimado pela enfermidade, mas o generoso servidor cuidou dele até a morte, afirmando sempre Louvado, seja Deus.

André estava cansado e envelhecido quando o antigo patrão faleceu. Quis trabalhar, mas o corpo sentia muitas dores. Esmolou com humildade e paciência. Toda vez que recebia algum pedaço de pão, ou algum trapo para agasalhar o corpo, exclamava alegremente: - Louvado seja Deus. Certa noite, muito sozinho, com sede e com febre, notou que alguém penetrava em sua choça de palha. Quem seria?

Em poucos instantes, um anjo erguia-se a frente dele. Acanhado e aflito, quis dizer alguma coisa, mas não pode. O anjo, sorrindo abraçou-o e exclamou: André, o nome de nosso Pai Celestial foi exaltado por seu coração e vim buscar você para que sua voz possa louva-lo agora no Céu. No dia seguinte, o corpo do velho escravo apareceu morto na choupana, mas sobre o teto rústico as aves pousavam cantando, e muita gente afirmou que os passarinhos pareciam repetir:- Louvado seja Deus.

No canto dos passarinhos,

No campo, no mar, na flor,

A vida está repetindo:

Louvado seja o Senhor.

0 comentários: