O PÃO NOSSO DE CADA DIA DAI-NOS HOJE...

O PÃO NOSSO DE CADA DIA DAI-NOS HOJE...

O pão nosso de cada dia, não é somente o almoço e o jantar, o café e a merenda. É também a idéia e o sentimento, a palavra e a ação. Para que reine saúde com alegria, em torno de nós, precisamos de nossas refeições, mas necessitamos também de paz e esperança, de fé e valor moral. Com os nossos modos de agir, operamos sobre os outros.

Conversando, distribuímos nossos pensamentos. Nossos atos influenciam os que nos cercam, segundo as nossas intenções. Por isso os outros nos alimentam com as suas atitudes. Se estimamos as conversações deprimentes se buscamos as leituras de natureza inferior, depressa nos vemos alterados e perturbados, sem disso nos apercebermos. As nossas companhias falam claramente de nós. Nossas leituras, revelam nosso intimo, do bem que nos guarde contra a maldade e que nos ajude a ser exemplos de compreensão e fraternidade.

Em Jesus, temos o PÃO que desceu do Céu. E ainda hoje, o Mestre continua alimentando o pensamento da Humanidade, por intermédio de um livro- O Evangelho Divino, em que Ele nos ensina, através do AMOR, o caminho de nossa felicidade para sempre.

NECESSIDADE DO ESFORÇO

Conta-se que no principio da vida terrestre, o alimento das criaturas era encontrado como oferta da Divina Providencia, em toda a parte. Em troca de tanta bondade, o Pai Celestial rogava aos corações mais esforços no aperfeiçoamento da vida. O povo no entanto, observando que tudo lhe vinha de graça, começou a menosprezar o serviço. O mato inútil cresceu tanto, que invadiu as casas, onde toda a gente se punha a comer e a dormir. Ninguém desejava aprender a ler.

A ferrugem, o lixo e o mofo apareciam em todos os lugares. Animais como os cães que colaboravam na vigilância, e aves como os urubus que auxiliavam na limpeza, eram mais prestativos que os homens.

Vendo que ninguém queria corresponder à confiança Divina, o Pai Celestial mandou retirar as facilidades da Terra, determinando que os habitantes da mesma se esforçassem na conquista da própria manutenção.

Desde esse tempo, o ar e a água, o Sol e as flores, a claridade das estrelas e o luar continuavam gratuitos para o povo, mas o trabalho forçado da alimentação passou a vigorar como uma lei para todos, porque lutando para sustentar-se o homem melhora a Terra, limpa a habitação, aprende a ser sábio e garante o progresso.

Deus dá tudo.

O solo, a chuva, o calor, o adubo e a orientação constituem dádivas Dele à Terra que povoamos e que devemos aprimorar, mas o preparo do pão de cada dia, através de do nosso próprio suor e da própria inteligência, é obrigação comum de todos nós, a fim de não olvidar-mos o nosso dever de servir, incessantemente, em busca da perfeição.

0 comentários: